Capítulo 5 - Lobo Mau

Naquela mesma noite em que saíra com Jô, os pensamentos de John arduamente o deixaram adormecer. Sua mente remoía o momento e as sensações de quando provara a carne humana. Ficou ansioso e cada vez que as lembranças vinham à tona do primeiro contato do sangue de Josi e suas papilas gustativas, psicologicamente sentia o sabor envolver seus sentidos. Dormira apenas por uma hora, mas acordou bem disposto e até preparara o café, enquanto seu irmão dormia. Quando já estava de saída, chamou por seu irmão.

— Allec, acorda!

— Hm...? — resmungou Allec para o irmão, que o alertou sobre o horário. Levantou preguiçosamente e só pôde ver seu irmão saindo às pressas, fechando a porta ao dizer que fizera o café e faria hora extra no serviço. Foi até a pequena mesa no centro da cozinha, no qual haviam bacons bem fritos, que emanavam uma gordura que lhe fez salivar instantaneamente, acompanhados de um bife malpassado e leite. Surpreendeu-se pelo ato de seu irmão, pois não tinham este costume.

— Tomara que ele acorde assim todos os dias... — Allec disse ao sentar-se à mesa e lambera os beiços ao pegar o bife.

Por volta das dez horas da manhã, um grupo de turistas entrou no bosque ao redor da cidade de Tusneer, através da trilha que levava a uma pequena queda d’água, muito visitada naquela época do ano, antes que a neve extinguisse tudo. O grupo era constituído de um guia, dois casais, uma menina de uns nove anos, filha de um dos casais, que levava seu husky siberiano numa coleira e mais quatro jovens de aproximadamente vinte anos de idade. Conforme avançavam na mata, o guia lhes contavam as histórias passadas da cidade e sobre os tipos de animais que viviam ali. O cão ficara agitado de repente e começou a latir em uma direção.

— Pai segura o Tuf. — disse a garotinha sendo puxada pelo cão, que latia e tentava se soltar.

— Me dá querida. — acariciou o pescoço do cão, que choramingava baixinho. — O que foi garoto? Venha, não tem nada lá. — se levantou e quando foi se juntar ao grupo, sentiu um puxão e Tuf se soltara e sumiu entre as árvores. — Hey, calma aí garoto! — gritou o pai, mas o perdera de vista.

— Onde ele foi papai?

— Eu não sei querida, deve ter farejado algo... TUUUUF! — chamou pelo cão e voltou a atenção para a filha, que demonstrava sinais de lágrimas. — Não se preocupe querida, ele vai voltar.

— Senhor não se preocupe, eu chamarei o resgate de animais pelo rádio. — disse o guia pegando seu walk talk e entrou em contato com os superiores, lhe informando a situação.

— Obrigado. — pegou sua filha no colo. — Viu querida, quando menos esperar ele estará de volta.

— Por que ele fugiu pai? — perguntou num tom choroso.

— Ele não fugiu, só deve ter farejado algum animal.

Depois de uns 20 minutos o resgate de animais chegara ao local onde o grupo descansava, exceto a menina que ficou inquieta, ansiosa por notícias de seu amigo. Um dos homens pegou um apito e soprou. O som era quase imperceptível aos humanos, mas estrondoso para animais com audição apurada como os cães.

Não demorou 5 minutos e Tuf voltara.

— Tuf amigão, não faça mais isso! — disse a menina pegando a coleira e notara algo que ele mastigava, como se fosse um brinquedo. — Pai, o Tuf está comendo algo.

— Me deixa ver... Solta Tuf! — ordenou, levando a mão à boca do cão, que deixara cair no chão. Antes de olhar para o “brinquedo”, afastou o cão para que não pegasse outra vez. Quando notou o que realmente era, caiu pra trás e gritou: — Ai meu Deus! É um dedo!

Todos ali se assustaram devido ao presente inesperado que o cão trouxera.

— Meu Deus, não olhe querida. — disse a mãe escondendo o rosto da filha.

Os jovens do grupo tomados pela curiosidade, se aproximaram do membro humano, coberto por baba canina e terra.

— Por favor, se afastem. Precisaremos acionar a polícia e efetuar uma busca para encontrar o dono deste dedo. — disse o homem do resgate.

Allec, Jonathan e Jennifer conversavam sobre o trabalho em grupo, que fariam para o semestre. Também se divertiam com as brincadeiras, que os jovens vieram a chamar de nerds, sendo um grupo viciados em vídeo games, livros e filmes, além de demonstrarem uma inteligência acima da média. Uma semana havia se passado e se tornaram grandes amigos de Jennifer. Allec sentia como se já a conhecesse desde há muito tempo.

Os três pegavam os materiais em seus armários da escola, prontos para irem embora, até que Jennifer sugeriu.

— Vocês querem fazer o trabalho em casa hoje? Porque daríamos uma boa adiantada, do que ter que esperar pra fazer na sala de aula.

— Eu acho uma ótima ideia! — afirmou Jonathan.

— Se não for um incômodo... — Allec disse fechando o armário.

— Não é, relaxa! Vamos! — Jennifer disse ao pegar na mão de Allec e o puxou por alguns metros. Allec corou ao sentir o calor da mão dela, mas ela logo o soltou. — Vamos J! — gritou para o amigo, que acabara de fechar o armário, enquanto ela e Allec já viravam o corredor.

— Esperem por mim!

Allec observava cada movimento de Jennifer, que caminhava à frente deles e pensou: “As mãos dela são tão macias...”, pois mesmo vivendo entre os humanos, não tivera muito contato físico caloroso desde há muito tempo.

— Onde você mora Jenny? — perguntou J.

— É do outro lado da cidade, mas não se preocupem, que meu pai leva a gente!

Ao saírem do colégio, eles avistaram uma caminhonete importada e o homem dentro dela acenou para a filha. Jennifer correu até seu pai, enquanto Allec e J aguardavam um sinal para avançarem, ainda mais por ser o xerife.

— Pai eles estão comigo, vamos fazer um trabalho em casa. — ela se virou para os dois e sorriu.

— Podem vir, eu não mordo!

— Olá Senhor, prazer em conhecê-lo, eu sou Allec e este é Jonathan.

— Prazer em conhecê-lo! — afirmou Jonathan.

— Senhor está no céu, podem me chamar de Marcus. — quando eles abriram a porta para entrar no carro, Marcus os encarou sério e perguntou: — Os responsáveis de vocês sabem onde estão indo, certo?

— Sim, já avisamos. — respondeu Allec engolindo em seco, porque havia mentido.

— Tudo bem então... É só pra ter certeza, podem entrar... — Todos se sentaram e colocaram o cinto e Marcus continuou ao dar a partida no carro. — É sempre bom avisá-los, pois vai que aconteça algo com algum de vocês, seria o primeiro local a procurá-los e também adiantaria no procedimento de busca e... — Marcus se calou ao olhar para Jennifer, que estava no banco da frente e fazia um sinal discreto com a mão, pra ele parar de falar. Disfarçou e olhou para os dois lados da rua, pigarreou e perguntou: — Afinal, vocês vão fazer um trabalho sobre o quê?

— É de história, sobre as lendas do folclore. — respondeu Allec.

— Hum... E vocês já escolheram alguma?

— Nós iremos interpretar numa pequena peça pra classe pai, nós só precisamos escolher uma em qual nós três nos encaixamos...

— Compreendo... Parece divertido!

Os três adolescentes assentiram e um silêncio desconfortável invadiu o ambiente. Jennifer revirou o porta-luvas do carro, até que encontrou um CD do Bee Gees e o colocou para descontrair a todos durante o trajeto.

— Bem chegamos. — estacionara a caminhonete, mas não chegou a desligá-la. — Filha, irei voltar pra delegacia, boa sorte no trabalho de vocês!

— Obrigado! — os garotos responderam.

— Tá, tchau pai, valeu a carona. — deu um beijo no rosto dele e saiu do carro.

Já dentro da casa, enquanto Jennifer se dirigia à cozinha para avisar a mãe sobre a chegada deles, Jonathan comentou ao ouvido de Allec, que a família dela devia ter muito dinheiro. Allec concordou, pois já notara isso devido ao carro.

Foram até a cozinha cumprimentar Eleonora, a mãe de Jennifer e voltaram com a garota para a sala, em que a mesma sugeriu que ficassem à vontade, enquanto foi em busca do laptop no quarto.

Ainda de pé escolhendo o lugar ideal no sofá, Allec observou um jornal sobre uma mesa próxima, que chamara sua atenção ao ler a palavra “lobos” em destaque. Foi até a pequena mesa, pegou o jornal em mãos e leu o título branco sobreposto à foto censurada de um corpo ensanguentado.

“Turista é assassinada. Corpo é abandonado aos lobos.”

“Estranho... Não é época dos lobos selvagens voltarem... Ou será que são... Vampiros?”, pensou, pois John e Allec eram os únicos lycans da região e já ouvira falar dessa espécie de ser da noite, que se alimentava de humanos, mas nunca encontrara um pessoalmente para reconhecer o cheiro de tal criatura. Começou a vasculhar o texto em busca de mais informações, até que fora surpreendido por Jennifer.

— Você viu a notícia? Coitada, parece que ela tinha acabado de chegar de viagem.

— Sim, é uma pena... — disse colocando o jornal novamente na mesa.

— Uhum... Meu pai está investigando o caso dela... — em seguida ela disse, mudando completamente de assunto: — Gente, vamos sentar no carpete mesmo, fica melhor para gente mexer nos cadernos... E eu estive pensando, por que não fazemos sobre os gnomos? — sugeriu Jennifer se sentando e abrindo o laptop. — Ou do barba azul?

— Acho que nesses vai ser complicado e o professor disse, que o grupo todo precisa ser um personagem. Eu tenho a história perfeita pra nós... — disse Jonathan revirando sua mochila. — Aqui! — abriu um livro e mostrou uma página ilustrada. — Eu peguei na biblioteca antes do intervalo.

— Chapeuzinho Vermelho? — Allec e Jennifer perguntaram juntos.

— É, é perfeito! Eu tava meio preocupado pra achar uma história bacana, pois o professor havia comentado no semestre passado sobre o possível trabalho... Acho que você nem se lembra, Allec...

— Pior que não... — Allec respondeu encabulado.

— Então, não imaginava que Jennifer entraria em nosso grupo, mas quando ela entrou, foi a primeira história que me veio em mente. Jenny seria a Chapeuzinho, claro, você o caçador e eu o lobo, o que vocês acham?

Allec e Jennifer trocaram olhares por um segundo e ela disse:

— Bom, por mim eu topo.

“Seria mais fácil se eu fosse o lobo, mas J parece muito animado com o papel, então...”, pensou e sorriu ao dizer: — Perfeito J, só precisamos agora escrever diálogos entre os três, pois não poderemos seguir a história original.

John e seu colega estavam em seu horário de café da tarde, sentou-se no sofá e perguntou:

— Luiz, você sabe se a Carol da padaria ao lado está a fim de mim ainda?

— Tá brincando? Eu já tentei sair com ela, mas desde sempre ela só tem olhos pra você! Até mesmo depois de você ter dado o fora nela... — Luiz lançara um sorriso malicioso. — Tá querendo dar uns pegas nela é?

— Mas ela não está compromissada com ninguém? — perguntou envergonhado ao demonstrar interesse.

— Nas redes sociais o status dela está como solteira... Mas vai lá cara, a chame pra sair, aposto que ela não vai pensar duas vezes pra dizer sim.

Após a conversa com Luiz, John procurou escrever em um papel rapidamente, porque faltavam cinco minutos para voltar do café e foi até a padaria. Carol ficava no caixa, era uma jovem de 19 anos, com 1,65m de altura, cabelos castanhos enrolados até o pescoço, sendo de etnia negra.

John fingiu estar procurando por algo e se aproximou do caixa. Entregou-lhe um papelzinho dobrado.

Ela o olhou desconfiada, abriu o papel, totalmente em silêncio e estava escrito:

“Quer sair comigo hoje à noite?”

— Está brincando comigo John? — perguntou séria. — O que te fez mudar de ideia?

— Não é brincadeira... Você aceita ou não? — John perguntou encabulado.

Ela hesitou e ficou com os pensamentos distantes.

— Se não quiser eu vou entender, preciso ir.

— Espere... — ela pegou na mão dele. — Que horário?

— Quer ir depois do expediente? — ele retribuiu o toque e sorriu.

Depois de um tempo em que Eleonora trouxera os lanches para o grupo, Jennifer se levantou e rumou em direção as escadas, dizendo que voltava logo. Ao primeiro movimento da garota, Allec encarou seu amigo J e aguardou ela subir as escadas antes de sussurrar:

— J, dá uma forcinha aí vai, é uma chance em um milhão!

— Mas a mãe dela está aqui cara...

— Não tem problema, eu a ouvi subir pro segundo andar e já faz algum tempo... Por favor, J, diz que sim? É a primeira vez que me sinto tão atraído por uma garota...

— Tá bom Al, vai ficar me devendo essa! Eu vou cobrar hein!

— Pode contar comigo cara, pra qualquer coisa. — disse trocando gestos e toques com as mãos e perguntou: — Já tem algum plano?

J apenas lhe lançou um sorriso, enquanto mexia no celular.

— Ela tá vindo, disfarça...  — sugeriu Allec pegando novamente o caderno.

— E aí, criaram mais algum diálogo?

Os garotos assentiram negativamente e o telefone de Jonathan tocou.

— Alô mãe?... Não, tô na casa de uma amiga, junto de alguns amigos, fazendo trabalho em grupo... Não mãe... Tá bom, daqui a pouco apareço por aí... Tá, tchau... Beijo... — Jonathan conversou com sua mãe, mas mesmo com uma ótima audição, Allec não escutara nada do outro lado da linha. J fingia e era um ótimo ator.

— Está tudo bem J? — perguntou Jennifer.

— Está, minha mãe disse pra eu ir pra casa, sinto muito galera... — disse enquanto guardava seus cadernos.

— Tá tudo bem J... Eu e Jenny vamos adiantando as falas e amanhã a gente passa pra você. — respondeu Allec se levantando, junto de Jenny, para se despedirem do amigo e o acompanharam até a porta.

Ao voltarem Jennifer perguntou: — E seu irmão Allec?

— O que tem ele?

— Ele não ficará bravo se você chegar tarde? Daqui uma hora já irá escurecer e o trabalho ainda levará um tempo... Se quiser a gente termina amanhã...

— Não esquenta, ele sai tarde do serviço também, mas agradeço por se preocupar.

Os dois passaram um tempo escrevendo, analisando as falas e atuando nos personagens. A mãe de Jennifer fora até o mercado e ambos ficaram sozinhos na casa.

— Hey Allec, vê se gosta desta fala... — ela leu interpretando a personagem, mas Allec não processara uma palavra do que ela dissera, por estar hipnotizado pelo som doce da voz dela.

— Ficou muito bom! Você leva jeito Jenny...

— Ah que isso, tá falando por falar, mas eu acostumei a ler bastante, dá pra viajar legal na escrita... — foi colocar a folha no chão enquanto dizia e acabou tocando na mão dele sem querer. — Me desculpe. — disse desviando o olhar e ambos sentiram o rosto ferver.

— Não foi nada. — respondeu. — Você não imagina o quanto é bonita... — Allec pensara em voz alta e ficou vermelho igual a uma pimenta, quando ela o encarou.

— Você acha? — perguntou corada.

— Er... Eu... — coçou a cabeça sem jeito.

— Você me acha mesmo bonita?

— Não... Você é linda! Não apenas por fora, você é gentil, simpática... É única... — levou a mão ao rosto dela. — Sua presença faz meu coração disparar, principalmente quando você me olha deste jeito... — sorriu e sentiu seu coração quase saindo pela boca de nervoso. Queria muito beijá-la, mas claro não contra a vontade dela.

— Desde que te conheci eu me sinto estranha, mas não de uma maneira ruim... Como se você tivesse me resgatado de um mundo de trevas... Isso que estou dizendo não deve fazer sentido pra você, mas... — foi interrompida por Allec, que levou seu dedo indicador nos lábios dela em sinal de silêncio.

— Não diga nada... — disse e a beijou.

Ela retribuiu e permaneceram se beijando por alguns minutos, até que ela o afastou e se levantou. — Espere!

— O que há de errado?

— Me ajude a levar pra cima. — disse juntando os cadernos e pegando o laptop. — Se ficarmos aqui, minha mãe pode chegar a qualquer momento. — disse lhe mostrando o caminho até seu quarto.

Seguiu-a então até o quarto e colocou as bolsas próximas da cama. O quarto dela era adorável, de um tom bege e rosa. Farejou prata na maior parte dos objetos e ficou intrigado, mas voltou a si quando escutou a porta fechar. Se virou e encontrou Jennifer o encarando e sorrindo.

— Não me leve a mal Al, é que meus pais são muito convencionais as tradições, você precisaria pedir permissão pra eles só pra ficar de mão dada comigo...

— Eu não me importo... — disse se aproximando e ficara sobre ela, apoiando um braço na porta e continuou: — Quero ficar com você Jenny... E se você concordar eu pedirei a eles assim que voltarem.

— Você faria isto por mim?

— Qualquer coisa... — acariciou os cabelos dela.

— Melhor não. Pelo menos hoje não, pois eles não iriam gostar de eu ter ficado com um garoto no meu quarto, enquanto ninguém estivesse em casa. Amanhã! Está bem?

— Ok. — sorrira em resposta e ela o puxou para cama e ficaram trocando carícias.

John e Carol resolveram comer numa lanchonete a dois quarteirões de onde trabalhavam. John chamara a atenção da garçonete para fazerem os pedidos. Enquanto aguardavam, ele sentia a inquietação de Carol, que o encarava  fixamente e perguntou:

— Está tudo bem Carol?

— Está, só não estou conseguindo acreditar que você me chamou pra sair... É alguma pegadinha, não é? — ela olhou para os lados em busca de algo. — Onde elas estão?

— Do que você está falando?

— Das câmeras! Aposto que irão postar na internet...

John a interrompeu pegando em suas mãos.

— Por que não acredita em mim? Eu estou mesmo interessado em você e fui um tolo por não ter aceitado antes.

Ele levou sua mão ao rosto dela, ao notar que os olhos da mesma haviam se umedecido e se preparara para limpar qualquer lágrima que viesse.

— Me desculpe John... Eu fico muito feliz de coração por ter me convidado... Obrigada.

— Disponha, eu que fico agradecido por não ter desistido de mim. — lançou-lhe um sorriso.

Ambos jantaram um lanche médio, composto de cheddar, bacon, dois hambúrgueres e algumas rodelas de tomate. Conversaram por algum tempo e eram quase dez horas da noite, quando decidiram ir embora. John levantou primeiro e estendeu a mão em gesto cavalheiro. Ao saírem, ele a guiou por um beco estreito e mal iluminado entre a lanchonete e um prédio residencial e puxou-a pelo braço, a surpreendendo com um beijo quente.

Ela retribuiu o beijo, em seguida ele começara a lambê-la no pescoço, enquanto dizia: — Carol... Quero muito provar da sua carne. — suas mãos agora se atreviam entre as pernas dela.

Carol ficou paralisada e feliz, pois o homem que sempre desejara a queria de corpo e alma, mas conseguiu pará-lo e dizer: — John, vamos pra outro lugar... Para meu apartamento.

— Está bem... Desculpe-me pelo ataque, não consegui me conter. — disse envergonhado, como se não fosse à mesma pessoa de minutos atrás.

— Está tudo bem... Vamos. — ela pegou sua mão e o guiou através do beco, que cortava caminho e pensou: “Eu não esperava por isto, mas eu gostei.”

Ao saírem do beco, a rua estava deserta. Começou a chuviscar e John a cobriu com seu casaco.

— Obrigada... Mas você não está com frio?

— Não, não se preocupe. — ele a puxou para mais perto de si e andaram abraçados, até que ele fingiu ouvir algo. — Ouviu isto? — fez uma cara de surpresa. — Fique aqui... Eu já volto. — e atravessou a rua correndo até o outro beco escuro, que ficava entre dois estabelecimentos comerciais já fechados.

— Esperai, o quê? — ela não entendeu o motivo dele ter saído correndo. — John, espere! — hesitou, mas o seguiu e adentrou lentamente o beco, após ligar a luz do celular, por causa da escuridão e o aumento da chuva, que prejudicava sua visão. — John? — chamou por ele, infiltrou-se mais uns dez metros e notou algumas roupas rasgadas e encharcadas, próximas a seu pé. Com a luz do celular mais perto das roupas, identificou que pertenciam a John. — Oh meu Deus! John? — chamou por ele mais uma vez e antes que se virasse para recuar e chamar a polícia, escutou algo pousar na poça d’água atrás dela. Quando tomou coragem para se virar, segurou a respiração e no mesmo momento em que visualizou a silhueta negra de dois metros de altura, pensou em gritar, mas seja lá o que fosse, agiu mais rápido, tampou sua boca a empurrando contra a parede e fazendo-a bater a cabeça.

Ela apagou por alguns segundos, devido à pancada e conforme foi recobrando a consciência, sentiu um cheiro de cachorro molhado e pelos grossos próximos a seu corpo. Sua visão foi ficando mais clara e algo gelado tocava sua pele, abaixo de seu umbigo e entre suas pernas. Seus olhos se arregalaram ao notar, que se tratava de um lobo, que a farejava e gritou:

— Não! Não! — ela tentou repeli-lo e quando foi gritar novamente, ele rosnou e roçou seus caninos na mão dela, ameaçando mordê-la e ela estremeceu, ficando em silêncio.

O lobo começou a rasgar suas roupas e a lambê-la.

— Não! Socor... — ela gritou, mas fora interrompida quando o lobo rosnou novamente, mas agora bem próximo de seu pescoço, mostrando suas presas e sentindo o ar quente de sua respiração. Ela começou a chorar e a tremer, enquanto dizia baixinho: — Por favor... Deixe-me ir... — seu corpo ficou paralisado. Sentiu as garras do lobo em seu corpo, mas uniu forças e deu um chute bem no estômago dele, se virou e levantou gritando: — Socorro! Alguém me ajude! — mas neste exato momento um trovão dominou o céu, ocultando qualquer vestígio de socorro.

O lobo furioso, avançou sobre ela e a feriu mortalmente.

— Precisamos voltar a fazer os diálogos... — Jennifer sugeriu e o beijou.

Ambos deitados e abraçados na cama.

Allec brincava com o cabelo dela e sorriu ao dizer:

— Os diálogos podem esperar...

— Acho que o J vai ficar bravo conosco.

— Não esquenta... — Allec se virou e ficou sobre ela. — Ele vai entender.

— Se você tá dizendo... — ela riu e o puxou pra si.

No mesmo momento em que iam se beijar, escutaram o som dos dois automóveis estacionando na garagem.

— Ai não, eles já chegaram! — Jennifer pulou da cama e espiou pela janela. — Rápido, consegue descer pela janela Al? Tem uma grade aqui do lado.

— Sim. — disse pegando sua mochila.

Jennifer revirou o armário e encontrou seu guarda-chuva.

— Aqui! — disse lhe entregando. — Me desculpa por tudo isso. — disse abrindo a janela.

— Não esquenta, obrigado! A gente se vê amanhã então!

— Tudo bem, até amanhã... — e se despediram com um beijo.

Allec começou a descer pela grade e quando viu que ela se distraiu com o barulho dos pais, pulou de quatro metros de altura, sem ela notar e correu em direção a sua casa.

Aproximadamente dez e meia da noite, Allec chegou em sua casa e não encontrou seu irmão.

— De novo John? — disse indignado, pois esperava encontrá-lo, ainda mais em um tempo chuvoso.

Um uivo quase imperceptível surgiu no mesmo instante. Allec correu até a janela e avistou seu irmão, transformado e camuflado entre as sombras do jardim. Ainda chovia muito e ao abrir a janela, John saltou para o mais próximo possível do banheiro, porque ficara ensopado. Allec resmungou, por quase ter caído no chão ao desviar do irmão. Fechou bruscamente a janela e cortinas e caminhou até o banheiro, onde estava o irmão, se secando de maneira canina. Os dois se entreolharam e John afirmou:

— Nem venha me falar nada, eu vi que você chegou agora também!

— Ah é? E onde você esteve? — Allec retrucou.

— Tá ficando surdo? Pergunto o mesmo a você!

— Eu fiquei estudando na casa de uns amigos... — respondeu cruzando os braços.

— Sei... — John se aproximou e o farejou. — Vá tomar um banho, você tá fedendo a humano. — ele foi até seu armário pegar uma toalha, ainda em sua forma bestial.

— E você John? Cadê suas roupas?

— Infelizmente eu as perdi na caçada... As joguei no lixo. — disse revirando seu armário.

— Cabeçudo! Alguém poderia te ver! — Allec o repreendeu, socando seu irmão no braço. Caminhou até o armário e enquanto também mexia em sua gaveta, comentou chateado: — Valeu por lembrar de mim de novo!

— Não enche, você parece que ficou bem ocupado também. Amanhã iremos caçar então! Às 22h00. Não se atrase.

— Tá, tá! Digo o mesmo. — Allec respondeu fechando a porta do banheiro e pensou: “Seja lá o que estiver escondendo John, cedo ou tarde eu irei descobrir.”

We will open more payment methods as soon as possible
Um passo para um novo mundo!
Para mais, baixe o APP de MangaToon!